NOTÍCIAS

18/05/2017 - 09h41 Após denúncias contra Temer, “Diretas já” ocupa a Paulista
Reportagem do “Globo” afirmou que Temer teria comprado o silêncio de Cunha; manifestação espontânea reuniu milhares na avenida Paulista. Agência PT de Notícias | Fotos: Paulo Pinto



>>> No Paraná, PT convoca a militância


Milhares de pessoas foram à avenida Paulista na noite desta quarta-feira (17) pedir a renúncia do presidente golpista Michel Temer (PMDB) e eleições diretas. A manifestação espontânea foi convocada após reportagem do jornal “O Globo” afirmar que Temer teria solicitado que a empresa JBS comprasse o silêncio de Eduardo Cunha (PMDB) na prisão. Além disso, Temer teria indicado o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto ligado à empresa. Em outra gravação, Loures aparece, segundo a Globo, recebendo uma mala com R$ 500 mil que teria sido enviada pelo dono da JBS.

A denúncia também atingiu o Senador Aécio Neves, que teria sido gravado solicitando propina de R$ 2 milhões à empresa.

Lideranças e participantes do ato na Paulista manifestaram a preocupação com a possibilidade de um novo golpe após as graves denúncias, com eleições indiretas para o cargo de Presidente. Por isso, as palavras de ordem que dominaram toda a noite foram “ Fora Temer” e “ Diretas Já”.

No momento da revelação, a Frente Povo Sem Medo realizava um debate no vão do Masp (Museu de Arte de São Paulo), na avenida Paulista, sobre as reformas trabalhistas e da previdência, convocando para a grande marcha em Brasília marcada para o dia 24 de maio. O líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) Guilherme Boulos interrompeu o debate e, em consenso com a plateia, decidiu-se pela realização de uma manifestação espontânea na avenida.




Inicialmente, foi negociado com a Polícia Militar que as pessoas ocupariam as ruas apenas quando o semáforo estivesse vermelho para os carros. Ao longo da noite, no entanto, mais manifestantes foram chegando e todas faixas da Paulista (sentido centro) foram ocupadas pelo ato. Milhares de pessoas pediam a renúncia do golpista e eleições diretas.

Para o deputado estadual João Paulo Rillo (PT-SP), a preocupação deve ser a preservação da democracia. “Porque a agenda econômica vai continuar. A democracia brasileira já foi fortemente ferida. Eu espero que isso não descambe para medidas repressivas. A saída para o Brasil é a democracia, e o voto direto dos eleitores. E não uma substituição do voto por uma carteirada de quem quer seja”, afirmou ele.

“Nós não temos que titubear. É Fora Temer e Diretas Já. Esse governo não tem condições nenhuma de continuar”, afirmou o líder do MTST Guilherme Boulos. “Os brasileiros e brasileiras tem que ir às ruas exigindo a queda do Temer e eleições diretas, porque não podemos aceitar um arranjo desse Congresso desmoralizado para botar no poder algum outro sem voto”, disse.

A deputada estadual Beth Sahão afirmou que a denúncia apenas revelou o que todos já sabiam, que esse governo é fortemente envolvido em esquemas corruptos. “O povo na rua vai ser fundamental para pressionar esse governo que já não tem força para nada e que quer aprovar reformas que retiram direitos dos trabalhadores. Esse momento é histórico. Está começando. Nós devemos engrossar essas lutas nos próximos dias”, disse ela.

“O Brasil foi surpreendido por essa denuncia revelando o que todo mundo já sabe que esse governo opera e paga propina para se manter no poder”, afirmou Índio, da Intersindical. “Nós queremos eleições diretas, retomar a democracia. Quem em que definir é o povo brasileiro.”

Para a presidenta da UNE, Carina Vitral, esse governo não tem mais sustentação para manter-se no poder. O perigo, segundo ela, é um complô das elites. “Temos que ocupar as ruas para ter eleições diretas porque as elites vão montar um complô para ter eleições indiretas. Mas isso seria o maior absurdo. Temos que votar para presidente da República”, disse.



Manifestação espontânea

A cada minuto, mais pessoas chegavam à manifestação espontânea. A estudante Lena Beatriz conta que estava na faculdade quando soube da notícia. Os estudantes saíram da aula e foram para o ato na Paulista.  “Para mostrar que a juventude está aqui sim e não esqueceu do que está acontecendo”, afirmou.

“Eu estava voltando do trabalho, e fiquei sabendo, cheguei em casa e já viemos para cá, arrebanhando gente pelo caminho. Porque temos que evitar que coisas piores aconteçam”, disse Maria do Carmo Fávaro.



“Esse é o momento de a gente ir pra rua, porque se empurrar ele cai, mas a gente tem que evitar um novo golpe, que é esse Congresso escolher um novo presidente ou fazer a Carmem Lúcia ser presidente do Brasil”, reforça Camila Lisboa.

Outros atos já estão previstos para esta semana. Acompanhe no pt.org.br/agenda

Da Redação da Agência PT de Notícias

Deputados Federais
Enio Verri
Zeca Dirceu
Deputados Estaduais
Pericles de Mello
Professor Lemos
Tadeu Veneri
 
 
 
Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciado sob CC-Attribution 3.0 Brazil.
Exceto especificado em contrário e conteúdos replicados.
Alameda Princesa Izabel, 160, São Francisco, Curitiba. Cep. 80410-110.
Telefone: (41) 2103-1313. E-mail: imprensa@pt-pr.org.br